Quarta-feira, 28 de Março de 2007

Vulnerabilidade...




... stressssssss.... hoje estou que nem posso... stressss!


Algo me incomoda, algo me perturba. Há aqui qualquer coisa que me aperta o coração e me faz sentir frágil, vulnerável... e não gosto de me sentir assim, fico meio agoniada, nervosa... queria hibernar durante uns tempos, esquecer que existo, esquecer que estou a gostar muito de uma pessoa que mal conheço. Esquecer que a outra pessoa está para chegar, com a sua gaja... não sei se é por isso, por saber que ele está para regressar a esta cidade em breve que me deixa assim... mas eu até estou na boa. Sei o que quero, fiz a minha escolha. Deixei de partir a cabeça por um Futuro imaginado, e luto por um Presente real. Pensei, reflecti, e fiz esta escolha. Mas... às vezes quase me apetece ligar ao meu querido e pedir para acabarmos tudo... sinto-me demasiado vulnerável, exposta, frágil para estar com alguém como ele... ou com qualquer outro alguém. Eu devia era ficar sozinha durante mais uns tempos. Mas não quero perder este homem que faz parte da minha vida, gosto dele, ele gosta de mim, estamos bem os dois. Mas não estou preparada. A minha cabeça ainda não está totalmente limpa, e acabo por fazer comparações estúpidas, que só me magoam, pois o meu querido ex-namorado era... sei lá... uma pessoa muito especial... que não tem comparação... e por vezes dou comigo a procurar nos braços deste os carinhos que o outro me dáva, incondicionalmente... e depois choro, sofro, porque as pessoas não são iguais, em termos de signos então, não tem nada a ver, e foram mts anos a lidar com um amor escorpião, que para quem percebe minimamente da coisa, sabe que são muito quentes, muito carinhosos, muito sexuais... enfim... de repente vejo-me com um aquário... puffff... enfim, foram mts anos, tenho de dar tempo ao tempo, e habituar-me à forma que esta pessoa tem de demonstrar que me ama, pois nenhum amor é igual, certo?... :| ( e ele mostra que me ama, que me quer muito, mas à sua maneira...)

... mas esta sensação de vulnerabilidade cresce à medida que passo mais tempo com o meu querido, cresce à medida que olho para ele com mais carinho, admiração, respeito, paixão... e assim não dá. Não me sinto bem. Adoro-o, quero estar com ele, quero fazer a minha Vida com ele, ser feliz ao seu lado e fazê-lo feliz, mas... esta sensação de fraqueza faz a minha cabeça pensar: afasta-te!
Preciso de tempo, preciso de amor, preciso de segurança... senão vou acabar por estragar tudo...
.
..ai mãe, precisas é de ir ao psicólogo, ver se se faz luz nessa cabeça... help!....

Segunda-feira, 26 de Março de 2007

O começo da Libertação



O dia por aqui está chuvoso... que desconsolo, além de terem roubado uma hora ao meu precioso Domingo, o S. Pedro decidiu dar um início de semana destes... mas... eu não estou cinzenta, nem há chuva que me molhe a Alma ;)

Depois do meu anterior diálogo com o meu Coração, decidi começar a minha jornada contra o medo... contra o medo de ser amada, e desiludir... contra o medo de amar, e ser desiludida... contra o medo de sentir e ser sentida... o medo encolhe-nos a Alma e sabota-nos a Vida... depois de toda a luta que travei para saír do meu inferno, este medo não tem lugar na minha Vida, no meu Ser... é quase mais forte do que eu, mas não o é. Tenho de, a pouco e pouco, ir escutando o meu coração, ouvir o que ele me vai dizendo, e procurar a melhor forma de não magoar, nem ser magoada.
Dou tréguas ao meu Coração, sempre tão verdadeiro, sempre tão líder na minha Vida. Dou-lhe tréguas, perdoo-lhe o que me fez passar, e aceito-o de volta ao meu peito. Sei que existe um lugar onde tu ainda vives, e viverás o tempo que for necessário, mas não me posso esquecer que ainda tenho o resto meu coração todo, para lá pôr quem eu achar que merece.
Deixei de viver por me  teres feito pôr em causa a mulher que sou, o valor que tenho, o valor que tem toda a Dedicação, Amor, Amizade e Companheirismo que tivemos durante 8 anos... Voltei a viver por saber que sou amada por alguém tão valioso, tão especial, tão humano. E se vivo, não posso ter medo.
O Amor constrói-se a cada dia que passa. O Amor tb se destrói a cada dia que passa. O meu Amor por ti, não o conseguis-te destruír, nem com toda a frieza e crueldade com que me trataste quando descobriste que afinal conseguias viver sem mim, pois o amar-te não depende de ti, mas sim de mim. E amar-te... amarei a vida toda, pois foste único, o meu primeiro Amor, a minha primeira relação a sério, foram 8 anos da minha vida que dediquei a ti, a nós, a construír algo que pensávamos ser para sempre, mas não foi. Há que perdoar, acima de tudo a nós próprios, pela falha, e depois ao outro, pela dôr. Eu perdoo, e cresço. E preparo-me para amar novamente, de forma única, como sempre, de forma dedicada e profunda. Aqui dentro há um lugar só teu, mas não me posso esquecer que o meu coração é GRANDE, e a minha capacidade de amar é infinita. Não pensarei em ti qd estiver com ele, e quando o amar esquecerei o amor que sinto por ti, pois uma coisa anula a outra, sou mulher de um homem só.
Tenho a Vida toda à minha frente :D


Voltei a cozinhar :) depois de meses sem tocar num tacho ou numa panela, a inspiração voltou :) mais um passo em direcção à normalidade ;)
Quinta-feira, 22 de Março de 2007

SENTIR

 

 

- Cala-te! O que fazes aqui?!

- Estou no meu lugar.

- Não! Não voltes. Pus-te longe de mim, não te quero por perto!

- Ouve-me.

- NÃO!!!!! Não te quero ouvir. Sei o que me vais dizer. Não quero isso. Não quero voltar a sofrer. Afasta-te!

- Não me posso afastar pelo simples facto de que faço parte de ti, eu moro aí dentro.

- Não moras mais, não te quero sentir, não te quero ouvir... não quero morrer por tua causa...

- Impossível não me sentires. Tentas, mas não consegues. Esforças-te mas... sou-te essencial, não vives sem mim...

- Vivo. Tenho vivido sem ti!

- Errado. Tens sobrevivdo sem mim.

- E estava bem!

- Errado. Estavas a esconder-te. Estavas a fugir à tua Natureza. Sou eu quem comanda a tua Vida, sempre fui. Não podes agora pôr-me de lado só porque te sou inconveniente.

- Não me és inconveniente. Quase me matáste!

- Não fui eu que quase te matei. Foi a tua impulsividade, foi seres precipitada e imatura. Eu sempre amei a mesma pessoa. Sempre. Foste tu que falháste nas tuas opções.

- Conduzida por quem?!

- Pela tua cabeça, farta de pensar, farta de tentar achar uma solução, farta da rotina...

- Cala-te! Foste tu que me traíste! Foste tu quem me deu o sentimento de desprendimento ao ponto de acabar com tudo, ao ponto de estar com outro homem. Foste tu.

- Também. Mas na altura achavas que tinhas razão. E a razão não vem de mim.

- ...

- Olha para mim. Sente-me.

- Não, não quero! Não posso! Não consigo... :'( não posso voltar a sofrer... consegui levantar-me, saír do buraco onde estava enterrada contigo, e não quero voltar para lá... vai-te embora, por favor... mas porque raio vieste agora falar comigo??????!

- Porque me estás a acordar novamente.

- Tenho medo...

- Estás novamente a SENTIR.

- Não... não posso... quase morri por tua culpa... não posso sujeitar-me novamente a isso...

- Faz parte da Vida. Tudo é um risco. Amanhã podes não estar viva, hoje amas, amanhã podes odiar, hoje gostas, amanhã podes detestar... Basta estares Viva para estares em risco... e recomeçáste a viver, por isso estou aqui. Tens de me ouvir, tens de me voltar a por no meu lugar, tens de me encarar... sente-me.

- Estou cheia de medo. Não quero voltar a amar. Dói. Não quero voltar a sentir nada que me faça tremer, que me faça rir, que me faça chorar, que me faça feliz, que me faça infeliz. Não quero sentir nada de tão poderoso... não estou preparada...

- Se sentes, é porque estás preparada, apesar do medo. É por isso que estou aqui. Não tens coragem de me procurar, eu entendo porquê, mas está na hora de regressares ao mundo dos Vivos. Acorda desse Mundo onde achas que podes viver sem amar, sem sentir apego por alguém, onde achas que nasceste para seres uma pedra de gelo, inabalável. Acorda e toca-me.

- Não posso. Ainda dói. Afasta-te.

 

tags: , ,
Quarta-feira, 21 de Março de 2007

A Frieza...




... não sei o que se passa comigo... tenho todos os motivos para me sentir bem, Feliz, mas... há aqui qlqr coisa que me incomoda, que me fragiliza, que me magoa, e não consigo descortinar o que é...

Neste domingo tive uma quebra de humor, depois do almoço (infelizmente ainda me acontece mt isto ), mas o meu querido está a par de que ainda estou a recuperar da depressão, e é sempre super atencioso, respeita estas alterações, e preocupa-se mt comigo. Infelizmente, eu é que não estou ainda muito apta a ter uma relação, e como tal, por causa de ter entendido mal uma situação que se passou entre nós, calei-me, deduzi o pior, a agi friamente, de acordo com o que tinha, estúpidamente, deduzido... esta frieza acabou por me ser retribuída por ele, e as coisas estiveram por um fio. Primeiro, porque eu não sei lidar com frieza nem com distânciamento, mt menos da parte de um homem que diz que me ama; para mim é inaceitável. E segundo, porque tb eu tive uma atitude para com ele, que ele considera inaceitável... bem , durante algumas horas andei a rondar o meu Inferno, que ainda está meio aceso, e a fazer sérias contas a que raio se estáva a passar comigo... o resultado disto foi ele ter-me mostrado que é capaz de ser extremamente frio para comigo, e facilmente distânciar-se de nós, de tudo o que de bom temos vindo a construír, e dizer-me: "isto ainda está no princípio, e se é para esta situação se repetir, é melhor não continuar.". Bonito... nem queria acreditar que era ele no outro lado da linha, a ser capaz de dizer isto... "Mas estás a dizer que não queres continuar, não vale a pena?", "Não é isso, estou a dizer que isto não se pode repetir, e se for para se repetir, aí sim, não vale a pena continuar."... pois é, ele tinha razão. Eu tb não quero mal entendidos na minha Vida, não quero calar, em vez de falar e esclarecer as coisas, não quero ter macaquinhos no sótão. Ele tinha razão. Lá falámos, lá esclarecemos as coisas, e tinha ficado tudo bem, não fosse a atitude dele continuar a ser extremamente fria ao ponto de eu lhe dizer: "Estás a castigar-me por isto.", "Não estou.", "Estás.", "Estou chateado e magoado. A gente amanhã fala.", "Como queiras, obrigo-me a respeitar a tua vontade.". E desligámos. Para mim ficou tudo mal na mesma, a frieza continuava, e não estáva a conseguir digerir a coisa. Andei ali às voltas no quarto, acabei por me deitar, e qd já estáva quase dormir, o tlm toca. Era ele. "Olha, é só para te dizer para não passares uma noite má, está bem? Isto resolve-se. Mas não passes mal a noite, sim?"... bem, desarmou-me por complecto... só tinha vontade de chorar e de lhe dizer "obrigada!", mas aguentei-me, e disse-lhe que assim já não tinha motivos para ter uma má noite :) na manhã seguinte ele foi ter comigo, conversámos, dissemos coisas muito importantes um ao outro, demos muitos muitos muitos beijinhos, e... ficou tudo bem.

Agora...
Cá dentro ficou plantada a sementinha do medo... medo que à mínima falha minha, ele seja outra vez irrascível de frieza... que ele ponha tudo em causa... por um dia mau (quem não os tem?), por uma falha, por algum outro mal-entendido que possa surgir... como lhe disse, sou apenas humana, imperfeita e com falhas...
Mas eu não devia pensar assim... depois do que aconteceu, ele já me disse tantas vezes que eu não tenho motivos para estar triste, que não me quer ver triste, que já tinha passado tudo. Mas não sei. Não estou a conseguir digerir isto. Preciso de tempo para que ele me prove que posso voltar a acreditar nele, em nós, que ele é capaz de perdoar sem magoar, sem castigar... eu aprendi isso, a perdoar sem ter que castigar primeiro, como sempre fiz... aprendi isso. Se se gosta, se a situação foi esclarecida, não há mais nada de mau para guardar, vamos é aproveitar que já temos débito de Momentos Felizes... em vez de ficar agarrada à situação, a remoer, a criar mágoa...
... mas frieza não. Não consigo. Assusta-me. Ainda tenho de aprender a proteger-me contra ela, e a saber perdoá-la quando for preciso ( e agora é tão preciso...)...
;'(
Sexta-feira, 16 de Março de 2007

Para Ti, M.*



... aconteça o que acontecer?... Sim, aconteça o que acontecer. És alguém muito precioso para mim, para me dar ao luxo de perder a nossa Amizade, sempre tão forte, tão verdadeira, tão especial, sempre tão presente durante os nossos 8 anos cheios de tanta cumplicidade e Amor...
Acho que me estás a preparar para algo que achas que não vou aceitar bem, para algo que me poderá, eventualmente, perturbar muito, mas lembra-te de uma coisa: para mim, só tu existes. Quem está ctg, quem deixa de estar, se te vais casar, ser pai ou viver junto, isso não me interessa, nem quero saber. Para mim, ela não existe a teu lado. Para mim, tu serás sempre só tu. É a minha forma de lidar com isto, e com o que eventualmente possa estar para vir a acontecer na tua vida. Não me peças para a reconhecer, não me peças para lhe falar, não me peças para vos ficar a ver juntos. Não o farei, e se insistires nisto, aí sim, é porque não me respeitas, é porque não entendes a minha forma de me proteger e de progredir na Vida, sem Ti. E então obrigas-me a afastar-me a deixar de te conhecer.

Ontem disseste-me que me lias, que ainda te lembravas desta morada. Fico feliz por teres coragem de me ler e de saberes o que se vai passando na minha Vida, finalmente livre de ti, finalmente livre da dôr mortífera que me perseguiu durante meses... só existe uma parte de mim que me liga a ti, o meu Coração, pois ainda moras lá, naquele lugar onde só tu conseguis-te entrar, mas o meu coração guardei-o longe de mim, da minha cabeça, pois consegui traçar novos objectivos para mim, dos quais, a teu pedido, já não fazes parte. Lembra-te, foste tu que me imposeste esta escolha. E sei que com o tempo vou conseguir amar este homem que está comigo, pois ele tem tudo para que eu o ame, é um homem excelente, e que tem tantas coisas que aprecio num companheiro. A única coisa que me impede de amá-lo é o amor que ainda sinto por ti. Mas já não me magoa, já não me trucida, como aconteceu durante tanto tempo.

Por isso M., não tenhas receio de que caia outra vez. Não vou caír, nunca mais, da forma como caí. Quase me matava por ti. Foi uma lição muito bem aprendida, cresci imenso como pessoa, estou mais forte do que nunca, e não me sujeito a NADA que me faça sentir minimamente miserável ou infeliz. Acabou. Consegui subir para um lugar onde pouca coisa me pode deitar a baixo, e a tua Vida, a forma como a vives e as escolhas que fazes para ti, já não me perturbam. Sei quem sou, sei que Mulher sou, sei que valho MUITO como pessoa, e não há NADA nem NINGUÉM que consiga voltar a pôr A Dúvida na minha cabeça da forma como tu conseguis-te. Já não. Consegui.

Por isso... conta comigo, seja para o que fôr, a que horas fôr, em que situação fôr, (como sempre) conto ser tua amiga até ao fim dos meus dias terrestres. O que nós tivemos é irrepetível... Até quem sabe, um dia, consiga reconhecer a companheira que escolheste para ti e conviver com ela. Mas adivinho que não será num futuro próximo. Por isso, poupa-me. Tu és tu, entre nós não existe uma terceira pessoa, como nunca houve.

Obrigada por me ligares, obrigada por mostrares que te preocupas comigo e me queres bem, nem imaginas o quão precioso isso é para mim. Obrigada :' )

Para ti, do fundo do meu coração, que é mais ou menos onde tu tb estás, desejo que sejas Feliz, equilibrado, desejo que sejas um grande homem, pois um grande coração já tu tens, não te esqueças disso. Eu não me esqueço.

Uma beijoca abraçada M.*
tags: , ,
Quinta-feira, 15 de Março de 2007

Lição aprendida...


Sinto-me bem :)
... segui os vossos conselhos, e corrigi a burrice que estava a fazer. Apesar dos sintomas físicos serem degradantes, os psicológicos estavam a ser muito mais, e com esta parte eu não brinco, nem me sujeito a tonteiras irresponsáveis  (que era o que eu estava a fazer...).
Tal como referi no meu último post, na segunda feira-feira estava um trapo humano. Li os conselhos que os meus queridos amigos bloguistas me deixaram, e houve um em particular que me bateu cá no fundo, pois referiu os sintomas psicológicos que eu estava a ter, sem sequer os ter referido no meu post, e sem sequer me dar conta que os estava a ter, e aí sim, fez-se luz, atinei-me, e na terça recomeçei, com um quarto de comprimido, e o meu objectivo é tomar dia sim, dia não, até passar para de dois em dois dias, e por fim, deixar a paroxetina definitivamente. Resultado: estou nova ;) os sintomas, quer físicos, quer psicológicos, desapareceram. Não estou mt contente com o meu corpinho, que se agarrou à paroxetina e me está a dificultar a vidinha, mas acredito que gradualmente vou conseguir deixar, sem que ele (corpo e psique), se ponha a berrar cmg à procura da bendita droga, lol...
Além do apoio dos meu queridos Amigos virtuais, que me são tão preciosos, tb tenho tido o apoio de uma pessoa mt especial, que entrou na minha Vida de uma forma inesperada, como já referi em anteriores posts, e que tem dado um apoio excepcional, com a sua dedicação, carinho, amor, atitude e vivacidade... habituada a ser loba solitária, a lutar por mim mesma e não contar com mais ninguém, esta está a ser uma lufada de ar fresco na minha Vida, pois encontrei alguém que é capaz de lutar por mim :) Sem o responsabilizar pelo meu bem estar, sem o pressionar para nada, sem lhe por peso nenhum nas costas, pois já lhe disse que sou mt capaz de me desenrascar, e bem, sozinha (lol...), esta relação revela-se cada vez mais completa e começa a fazer a cada dia que passa mais e mais sentido...
O meu coração?... sei onde está, deixo-o lá continuar o tempo que fôr necessário, ate ele se sentir preparado para saír. Não o quero forçar a nada, afinal, ele comanda a minha Vida. O Amor é algo que se constrói, e não se destrói num espaço de meses. Mas... acredito que se possa construír Amor mais do que uma vez na Vida, por isso deixo o meu coração em Paz, para ele Amar quem acha que deve amar, e depois logo conversamos, qd for tempo disso. O meu presente é Feliz e cada vez mais equilibrado. E isso basta-me por agora.
Segunda-feira, 12 de Março de 2007

A ressaca...

Bolas... desde Dezembro que andava a tomar diáriamente 2 tipos de anti-depressivos e um sedativo. Decidi que dia 1 de Março seria o último dia em que ia tomar essas drogas. E foi. Agora... estou a ressacar. Sinto-me um trapo, fisicamente, desde quinta-feira passada que ando assim, sendo hoje o dia em que me sinto pior... zonza, mal-disposta, cansada, muito cansada, cheia de sono, com suores, mãos a tremer, fraqueza geral nos músculos do corpo, desorientação (estou um perigo a andar na rua, lol) algum desregulamento estomaco-intestinal... enfim, to um trapo... Ao principio não sabia o que se passava, pensei que fosse apenas tensão baixa, mas depois o resto dos sintomas não eram normais... depois lembrei-me que, qd começei a tomar estas drogas, durante os primeiros 15 dias andava dormentezinha, sem reacção nenhuma, complectamente drogada, e depois o corpo lá se habituou e fui ficando "normal". E da mesma forma, agora que cortei com aquilo, o meu corpo está novamente a ressentir-se e a "pedir". Mas vai ficar pedindo o tempo que for preciso, pois não quero tomar mais m###s nenhumas, quero limpar-me para ter a certeza do que o que sinto é natural, sou eu que sinto assim, e não é um qualquer químico que estou a meter no corpo que me faz sentir bem. É importante para mim limpar-me, quero VIVER, e viver na realidade da vida, e não numa químico-realidade.

Ontem tive uma noite difícil, fartei-me de chorar sem saber mt bem porquê, chorei chorei chorei, bolas, até me deixar dormir exausta... de manhã andei de mau-humor, rabugenta e sem paciência para nada, só qd o meu querido me foi buscar para irmos curtir o domingo cheio de Sol que fez por cá, é que mudei de humores, e aguentei-me bem o dia todo (apesar das tonturas, tremores e etcs). Espero não repetir mais uma noite destas, traz-me más recordações e põe-me de rastos, físicamente. Mas se tiver de ser este o caminho para a limpeza, pois será este o caminho que enfrentarei. Não sei se algum de vós já passou por isto, se sim, ou se conhecem algum caso semelhante, partilhem please, pois não quero voltar ao médico, não quero tomar nada, só quero ter a certeza de que isto é "normal."
tags: , ,

.luares recentes

. A Dôr de Sentir e Saber

. o fim

. Cegueira

. inércia

. Inconsistência

. Já não tenho palavras

. A Paz que não existe

. ai... suspiro...

. HOMEM

. Coração fora

.Luas passadas

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Maio 2006

.Janeiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.blá blá blá?

.favorito

. Covardia

. "Amigo"

. Compadre Inventor

. Tu ... um encontro ...

. o maior tesouro do mundo

. Não sei o quê ...

.pesquisar nesta Lua

 

.subscrever feeds